Saúde Gamboa Santo Cristo Cajú Centro Catumbi Rio Comprido Cidade Nova Estácio São Cristóvão Mangueira Benfica Paquetá Santa Teresa Flamengo Glória Laranjeiras Catete Cosme Velho Botafogo Humaitá Urca Leme Copacabana Ipanema Leblon Lagoa Jardim Botânico Gávea Vidigal São Conrado Praça da Bandeira Tijuca Alto da Boa Vista Maracanã Vila Isabel Andaraí Grajaú Manguinhos Bonsucesso Ramos Olaria Penha Penha Circular Brás de Pina Cordovil Parada de Lucas Vigário Geral Jardim América Higienópolis Jacaré Maria da Graça Del Castilho Inhaúma Engenho da Rainha Tomás Coelho São Francisco Xavier Rocha Riachuelo Sampaio Engenho Novo Lins de Vasconcelos Méier Todos os Santos Cachambi Engenho de Dentro Água Santa Encantado Piedade Abolição Pilares Vila Cosmos Vicente de Carvalho Vila da Penha Vista Alegre Irajá Colégio Campinho Quintino Bocaiúva Cavalcanti Engenheiro Leal Cascadura Madureira Vaz Lobo Turiaçú Rocha Miranda Honório Gurgel Oswaldo Cruz Bento Ribeiro Marechal Hermes Ribeira Zumbi Cacuia Pitangueiras Praia da Bandeira Cocotá Bancários Freguesia (Ilha do Governador) Jardim Guanabara Jardim Carioca Tauá Moneró Portuguesa Galeão Cidade Universitária Guadalupe Anchieta Parque Anchieta Ricardo de Albuquerque Coelho Neto Acari Barros Filho Costa Barros Pavuna Jacarepaguá Anil Gardênia Azul Cidade de Deus Curicica Freguesia Pechincha Taquara Tanque Praça Seca Vila Valqueire Joá Itanhangá Barra da Tijuca Camorim Vargem Pequena Vargem Grande Recreio dos Bandeirantes Grumari Deodoro Vila Militar Campo dos Afonsos Jardim Sulacap Magalhães Bastos Realengo Padre Miguel Bangu Senador Camará Santissimo Campo Grande Senador Vasconcelos Inhoaíba Cosmos Paciência Santa Cruz Sepetiba Guaratiba Barra de Guaratiba Pedra de Guaratiba Rocinha Jacarezinho Complexo do Alemão Maré Parque Colúmbia Vasco da Gama Gericinó
Imagens impressãoborda
curvaCidade de Deus
foto

Ortofoto

A região pertencia à Grande Sesmaria de Martin de Sá, que se estendia do arroio Pavuna até o Maciço da Tijuca, cuja principal construção era o Engenho D’Água. Nas suas imediações se encontravam as estradas do Gabinal, do Capão (atual Tem. Cel. Muniz de Aragão) e da Banca da Velha (atual Edgar Werneck). Posteriormente, a área foi ocupada por sítios e fazendas onde cultivou-se cana-de-açúcar, café e lavouras diversas.

 

Na década de 1960, com a transformação do Distrito Federal em Estado da Guanabara, o Governador Carlos Lacerda implementou uma política de remoção das favelas situadas na zona sul da Cidade, no entorno da Lagoa Rodrigo de Freitas, além de algumas outras, para isso autorizando a construção de grande conjunto habitacional na baixada de Jacarepaguá. Surgiu assim a Cidade de Deus.

 

Construída pela COHAB e financiada pelo BNH, a Cidade de Deus terminou de ser construída após o governo Negrão de Lima. Seus projetos foram executados em 1968: o primeiro, em área total de 253.810 m2, limitado entre a avenida Ezequiel, rua Moisés e rua Edgar Werneck; o segundo, em área total de 36.343 m2, constando de 159 lotes e 8 ruas, entre a estrada da Estiva (atual Malomiguel Salazar Mendes de Morais) e a avenida do Rio Grande; e o terceiro, de outubro de 1968, abrangendo a maior área, com mais de 120 logradouros, incluindo ruas, travessas, praças, todas batizadas com nomes bíblicos, pelo Decreto de 30/03/1970.

 

Os favelados transferidos para a Cidade de Deus provinham de 63 favelas distintas, sendo que 70% dessa população provinha de apenas seis favelas (Praia do Pinto, Parque da Gávea, Ilha das Dragas, Parque do Leblon, Catacumba e Rocinha). Os outros 30% eram oriundos de 57 favelas, evidenciando a heterogeneidade dos residentes favelados.

 

A Cidade de Deus agrupa uma população de operários de vários setores industriais, prestadores de serviços não-especializados, pessoas dedicadas a atividades comerciais, de natureza administrativa e profissionais liberais. Alguns anos depois de sua inauguração, o que antes eram áreas exclusivamente residenciais, tomaram a feição de pequenos centros comerciais em plena expansão, observando-se em quase todas as quadras os mais diversos estabelecimentos.

 

Atravessada pelo rio Grande e seu afluente Estiva, a Cidade de Deus passou a ter um crescimento interno desordenado, observando-se um processo de favelização ao longo desses canais. Junto ao conjunto surgiram as comunidades do Muquiço, Santa Efigênia, travessa Efraim, Rocinha II e Jardim do Amanhã II, além de novos conjuntos habitacionais como o Vila Nova Cruzada e o Jardim do Amanhã. Em 1997, com a inauguração da “Linha Amarela”, a Cidade de Deus seria seccionada: de um lado os Conjuntos Margarida, Gabinal etc e, do outro, o restante das antigas glebas, as duas partes interligadas por passarelas.

 

A vida no bairro inspirou o filme brasileiro “Cidade de Deus”, baseado no romance homônimo de Paulo Lins, com roteiro de Bráulio Mantovani, dirigido por Fernando Meirelles. Lançado em 2002 no Brasil e, posteriormente, no exterior, o filme teve enorme sucesso, recebendo inúmeros prêmios e indicações.      

 

A Lei 2662/98 transformou o grande conjunto, na XXXIV RA – Cidade de Deus.

 

Nota: A denominação, delimitação e codificação do Bairro foi estabelecida pelo Decreto Nº 3158, de 23 de julho de 1981 com alterações do Decreto Nº 5280 de 23 de agosto de 1985.